Força de vontade


Em um vilarejo distante todos vivem felizes. Um diz para o outro o quanto trabalha para sobreviver, embora sempre continuassem na miséria. Comendo somente o que planta, ninguém precisa da famosa fruta mais doce do mundo, a luxoranja. Trabalhando muito, conseguem satisfazer as próprias necessidades mais básicas, com vontade conseguem ter o mínimo para viver. A vontade resolve tudo. Essas são ideias inquestionáveis passadas por gerações, até que uma pessoa declara:
— Trabalho muito e minha recompensa é a pobreza. Sou filho desta terra, mas ao mesmo tempo sou forasteiro não conseguindo me adaptar a esta vida. Vou embora daqui.
— Pra onde você vai? Aqui tem de tudo...
— Tudo o quê? Não tenho alguma coisa importante, trabalhando mais que todos; vivo entre o a pobreza e o bem-estar. Com minha força de vontade terei uma vida melhor, vou até o pomar gigante de luxoranjas comprar algumas e aproveitar o verdadeiro doce. Eu mereço e sei com minha determinação, eu chegarei lá.
Depois disto, ele sai do vilarejo em busca deste pomar, só tinha que atravessar um deserto. Ele com água, comida racionadas podem durar alguns dias e uma faca para defesa. A viagem dura semanas sem ver nada, além de dunas de areia e a vontade de atravessa-las. A água e comida acabam dias antes dele ver um oásis. Correndo até lá, sacia a sede e fome; sem perceber descansa merecidamente, aonde não deve, pois é picado por uma cobra no braço. Com a faca luta e vence o animal, com um torniquete faz primeiros socorros.  Com um braço envenenado só o tempo dirá se ele vai continuar a viagem, porque sua aparência é de podridão.
— Não posso acabar aqui, será tudo em vão. — diz o bravo lutador pra si mesmo.
Nisso ele pega a faca e corta o braço sem choro, pois é necessário. A viagem pede isso. Sem sangramento a viagem continua por mais alguns dias, até que seu nariz lhe indica um aroma doce gostoso, o suficiente para suas energias acenderem novamente. Ele vê arvores, mais adiantes, cercadas por arames e outras por muros altos, dá pra perceber que são frutíferas carregadas de frutas... luxoranjas.  Chegando mais perto é parado por um guarda.
— Você não pode atravessar, não é área para visitas. — diz seriamente o vigilante.
— Só estava procurando o pomar gigante de luxoranjas.
— É este.
— Nossa! — o sorriso de alegria confunde-se com a surpresa. — Queria saber como ter algumas.
—Só se compra na cidade.
— Tem algumas para eu experimentar? Podem ser as que caem no chão.
— Só tem frutas na cidade, todas são colhidas. Somente os donos entram e comem a vontade. Não entendeu?
—Talvez eles deixem experimentar, vai ver... eles não são tão mesquinhos, vim de longe... Precisei de força de vontade pra estar aqui.
— Eles não sentirão pena de você. Pra eles tiverem estas frutas eles trabalharam muito, com muita vontade, não foi pedindo.
— Eu posso trabalhar, como você.
— Meu trabalho é sério, eu não pego as daqui, eu recebo salário em dinheiro e compro luxoranjas na cidade. Se quiser frutas trabalhe e com o dinheiro compre-as, otário!
Não pensando duas vezes o caminho da cidade é escolhido e estando lá se torna mais um, querendo comprar, se adaptar e superar os desafios, não só para ter as frutas, mas também para estabelecer-se socialmente. Voltar para o vilarejo nunca, a cidade é a terra das possibilidades; trabalhando conseguiria o que precisa, mesmo que não tinha trabalho já que quando o empregador olha o aleijado pedindo emprego chamava o próximo pra vaga. Ele veio com dinheiro, mas as frutas são caras.  Deprimido, sentado em um banco de praça, sem casa, sem empego, sem apoio, olha ao redor e se vê igual aos outros vagabundos; tendo uma força de vontade que tornara importante seus atos, não era ali que seria especial. A noite cai, sem sair da tristeza, até que seus pensamentos são interrompidos, por dois marginais. Atacado, tenta se defender com faca que possuía, contudo foi derrubado e esfaqueado com a própria arma. Morre sem ter mais da pouca felicidade que tivera na terra natal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você não escreve, não sei sobre você, escreva!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...