Romance de casa


               Tudo é normal. Todos os dias as mesmas coisas acontecem, são noticias. É melhor assim, o contexto em que Raul vive não pode suportar o que é diferente. Ele cresceu e percebeu que havia coisas e ideias diferentes. Mas como nunca saiu dele, ele era tão ignorante quanto qualquer outro.

                — Vocês vivem dentro de uma caixinha e tem medo sair de dentro dela. —diz um dos professores de Raul para os alunos, seus colegas de classe.

                A falta de coragem de Raul era igual a todos da classe; ele sabe disso e deseja mudar. Como realizar sonhos se no estado atual da vida ele não possui métodos de alavancar o futuro.

                — Vocês têm tudo! Por isso eu não tenho filhos! Seus pais pagam uma educação cara e você não fazem nada sério. — diz outro professor para a mesma classe.

A escola assemelha-se a um clube. Também uma representação de toda uma vida. É exagerado, mas a própria quer ser a melhor que existe. Mostrar a vida inteira dos alunos para os alunos é o trabalho dela.

Em casa nada de sermões, pois pagam uma escola pra isso. A casa é de fundamental importância. Todas as escolas que Raul frequentou são apenas extensões da casa.  Sair de casa pra continuar em casa é maravilhoso. Sair de casa em direção ao mundo verdadeiro é impensável. Raul ama as coisas da sua vida, desse jeitinho, ele torna-se importante, seus resultados, no micro universo, se somam para o engrandecimento da casa em troca de abrigo, comida e amor.
            A casa sempre ficará em sua cidade, aí mora o problema. Na cidade não tem o trabalho almejado, a fonte de dinheiro prometida por todos os conhecidos. Raul sempre percebeu o resto do mundo diferente do que foi - lhe dito. Mas nunca lhe disseram que possui uma fraqueza. Não sei, — pensa Raul—, não quero pensar. Vou me espelhar em alguém. — pensa de novo. Pensa com um vazio constante, pois ninguém por sua própria conta fez algo diferente, que ele saiba. Raul não estará triste, não pensa que é um fracassado porque está entre iguais. Com pensamentos que acham normais, a vida dele prossegue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você não escreve, não sei sobre você, escreva!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...